Dicas de carreira

6 razões para começar o seu próprio negócio na universidade

Data de publicação 09/09/2016

Empreendedores não estão envolvidos apenas no lançamento de startups, mas também em promover mudança e progresso dentro de organizações pré-existentes. Isso significa queestudantes universitários com fortes habilidades empreendedoras não apenas têm a opção de trazer seus próprios projetos para a realidade, como também podem ser procurados por possíveis empregadores que procuram por uma mistura de empreendedorismo e outras habilidades profissionais.

Pensando nisso, entenda boas razões para abrir um startup enquanto ainda está na faculdade:

 

1 - Colocar seus conhecimentos em prática

Pode soar cliché, mas todo mundo sabe que é verdade: o jeito mais fácil de aprender é fazendo. Você pode não achar que seus conhecimentos naturalmente o levarão a abrir uma startup. No entanto, se encontrar um jeito de lançar um negócio ou organização sem lucros relacionada ao seu curso, perceberá que isso renova o seu currículo. Isso pode significar, por exemplo, aplicar os seus conhecimentos com computador para desenvolver uma solução de software, desenvolver seus estudos sobre marketing para oferecer serviços a sociedades de estudantes, entre outras coisas. As possibilidades são infinitas. O importante é usar a criatividade.

 

2 – Ganhar habilidades profissionais valiosas

Começar seu próprio negócio é o jeito perfeito de desenvolver e praticar as habilidades profissionais que você vai querer ter quando for procurar empregos depois da faculdade, como por exemplo: trabalho em equipe, comunicação profissional, planejamento de tempo, planejamento de projetos, capacidade para resolver problemas e criatividade, etc.

 

3 – Aproveitar os benefícios de ter contatos profissionais

Se você começar seu próprio negócio ainda na faculdade, conseguirá fazer bom uso dos contatos profissionais que as instituições de ensino superior oferecem. Precisa de parceiros para trazer mais habilidades para o seu projeto? Basta colocar anúncios pelo campus e por redes sociais da universidade. Tem problemas para achar uma sede para a sua iniciativa? Simples: pergunte se o seu departamento de carreiras pode ajudar. Procura por um mentor? Fale com organizações de alunos e professores.

 

4 – Contará com uma estrutura de apoio

Além de fornecer essa grande rede de contatos, muitas universidades têm recursos pré-estabelecidos para dar suporte a estudantes empreendedores. Em alguns casos isso significa um espaço dedicado à discussão e aprimoramento de startups, onde estudantes podem procurar ajuda de membros da faculdade e profissionais da indústria, talvez até oferecendo ajuda econômica ou oportunidades de dar visibilidade ao seu projeto.

 

5 - Quanto mais cedo você falhar, mais rápido você vai ter um sucesso

Se você decidir correr o risco de começar o seu próprio negócio, precisará estar preparado para a possibilidade de dar errado. As estatísticas de startups que falham variam (dependendo muito do que é considerado um sucesso), mas é amplamente aceito que a maioria dos novos negócios não é destinado a durar. Por outro lado, também é consenso que não tem nada de errado com isso. Na verdade, esses fracassos são não apenas para o crescimento dos indivíduos envolvidos, como também para o mercado em geral. Se você realmente quer uma carreira no volante do seu próprio negócio, provavelmente, vai passar por vários estágios da curva de aprendizado. Então quanto antes começar, melhor.

 

6 – Terá um plano B

Talvez você não queira uma carreira como empreendedor, nem sonhe com isso. Mas você nunca sabe o que o futuro reserva. Se a economia global tropeçar novamente poderá descobrir que a experiência com empreendedorismo e conexões significam que você tem um número consideravelmente maior de opções e oportunidades para aproveitar. O governo também encoraja iniciativas como essa, o projeto Anjos do Brasil, por exemplo, conecta empreendedores com investidores, além de oferecer orientações para pessoas interessadas em começar um startup.

 

Siga-nos

Pesquisas

O que mais te influência na hora de se candidatar a uma vaga de trabalho?