Turbine sua Carreira

A tecnologia ajudou empresário a transformar hobbie em carreira

Data de publicação 05/12/2016

São Paulo – Não espere ter um plano de negócios completo para colocar uma nova ideia em prática. Esse é o conselho que o empresário Hermes Santos dá àqueles que, como ele, querem transformar hobbie em ocupação profissional.  “Mesmo que não esteja 100% já comece a fazer”, diz ele, que acredita que planejamento demais pode ser limitante para a criatividade.

Hermes Santos segura uma de suas esculturas (Divulgação)

Santos sempre teve a arte como hobbie e a tecnologia como interesse. Na vida profissional montou uma indústria metalúrgica de autopeças, a Modefer, e há sete anos deixou de lado a produção por meio de moldes e passou a apostar em impressão 3D.

O investimento em equipamentos de impressão 3D foi o ponto da virada. Santos conquistou a representação das impressoras para países da América Latina, além de  começar a produzir peças.

A procura pela tecnologia mais moderna, fez com que Santos comprasse e passasse a representar equipamentos e robôs produzidos na Alemanha, Dinamarca, Singapura, Japão e EUA.

Entre uma viagem e outra surgiu o insight. “Na Alemanha vi pessoas usando robôs para produzir esculturas”, conta. Nesse momento, Santos percebeu que as impressoras e robôs que produziam as autopeças também podiam fazer arte.

Hoje, ateliê de arte e indústria autopeças dividem o espaço no Parque Tecnológico da Modefer em Alphaville (SP).  Com a ajuda das impressoras 3D, de um robô de oito eixos, Kuka, e de uma equipe de 8 profissionais, Santos se dedica exclusivamente à arte enquanto outros 45 funcionários tocam a metalúrgica. Assim, o que era hobbie virou ocupação profissional principal. “É um privilégio ter o ateliê dentro da indústria e poder ficar próximo do negócio”, diz ele.  

 

Fonte: exame.com

Siga-nos

Pesquisas

Na sua opinião, no ano de 2017 o emprego no país: