Dicas de carreira

4 erros de quem tenta entrar numa universidade no exterior

Data de publicação 09/12/2016

O processo de admissão em universidades estrangeiras pode ser um choque para quem começa a considerar o estudo numa universidade fora do Brasil. Em países como Estados Unidos e Canadá a entrada numa universidade envolve o envio de cartas de motivação, cartas de recomendação, certificados e tantos outros documentos que não se assemelham em nada ao nosso vestibular. 

Por isso, é fácil cometer alguns erros, mas só se você não souber quais são eles. Confira a seguir 4 dos erros mais comuns de quem tenta entrar numa universidade no exterior (e se previna antes de comete-los!).

 

1. Usar a mesma carta de motivação para todas as universidades
Oficiais de admissão leem centenas de cartas de motivação todos os dias, por isso é importante que a sua se destaque. A melhor forma de garantir que isso aconteça é fazendo com que ela seja original e sincera. A carta deve demonstrar que você passou algum tempo pensando sobre a universidade e o que ela oferece. 

Assim como quando se procura emprego, a personalização é a chave do sucesso. A carta deve levar em consideração a universidade e o curso em questão, e deve cobrir os seguintes pontos:

• Mostrar os seus objetivos pessoais
• Explicar porque você é qualificado para concretiza-los
• Mencionar como a universidade em questão é a melhor para ajudar você a chegar lá

2. Deixar para última hora
A solicitação de vaga em uma universidade consiste de várias datas de entrega. Por isso é inteligente deixar algumas coisas preparadas com antecedência.

A maior parte das universidades exige algum teste de proficiência em línguas, como o TOEFL, por exemplo. Outros talvez peçam que você faça o SAT (algo semelhante ao vestibular brasileiro). Você vai precisar de cartas de recomendação? A universidade oferece bolsas de estudos num prazo diferente da inscrição para o curso? Todas essas coisas levam tempo para serem feitas, por isso é importante não deixar a sua inscrição para o último minuto.

3. Subestimar você mesmo
Mesmo que seja importante não soar convencido na sua carta de motivação, uma dose saudável de confiança é essencial. Não deixe a humildade fazer você parecer menos do que realmente é, seja o seu próprio assessor de imagem. Quais são os seus pontos positivos que diferenciam você do resto? Porque a universidade deveria escolher você e não outra pessoa?

4. Ser vago
Um dos erros mais comuns de solicitações de entrada em universidades é a vagueza. Evite afirmações abstratas, como que você ama alguma coisa ou que algo sempre foi o seu sonho. Ao invés disso, seja pragmático e explique experiências que você têm na área, e como as suas habilidades estão em desenvolvimento. Os exemplos devem ser claros e redigidos da forma mais concisa possível, mas mantendo certo grau de detalhes.

Não faça afirmações sobre si mesmo se elas não podem ser imediatamente apoiadas em um exemplo. Se você afirma ter boas habilidades de comunicação e análise, explique que você as obteve em um estágio, ou um concurso. Fale de desafios que você superou.

 

Fonte: Universia Brasil

Siga-nos

Pesquisas

O que mais te influência na hora de se candidatar a uma vaga de trabalho?